Uso de drogas e alucinógenos

  1. Acordar para J
  2. Uso de drogas e alucinógenos

Nunca fui um usuário de drogas (medicinais ou “recreativas”, lícitas ou não), embora com isso eu não esteja dizendo que tenha sido ou seja nenhuma espécie de asceta. Longe disso.

Entretanto, apesar de todo o volume de informação disponível acerca dos males que as drogas causam na vida da pessoa, diariamente há incontáveis irmãos em humanidade embarcando nessa pataquada. E chamar esta escolha de pataquada já é, por si só, uma mera manifestação dos meus preconceitos e da minha ignorância. Queira o leitor me desculpar.

É comum que quem já teve uma bad trip (principalmente quando a primeira experiência com drogas) ficar tão assustado e chegar ao ponto de pensar que aquele estado de pânico, medo, ou seja lá do que for, nunca mais vai passar. Não são poucos os que desenvolvem síndrome do pânico a partir de quadros de drogadição. Daí a julgar que os danos causados na química cerebral afetem a mente é só um passo natural.

Entretanto, a única coisa que pode nos limitar são nossas crenças, que são os pensamentos que guardamos a nosso próprio respeito em nossas mentes. Muitas dessas crenças estão inconscientes, portanto parecem ser imutáveis. Mas o corpo, o cérebro, o sistema nervoso, tudo isso é efeito dos pensamentos na mente, e nunca podem ser a causa de qualquer coisa que experiencemos.

bad trip normalmente é uma projeção da mente no cérebro do medo (e do consequente ataque, que ocorre em tempo integral) do ego contra a Divindade. Ela é um mero símbolo das escolhas feitas em favor do medo em vez de pelo Amor.

Assim, as drogas como um todo são neutras, do ponto de vista do Ser: assim como tudo mais no mundo, são irreais, e meras projeções do que o ego cria.

A escolha pelo Céu é consciente, e não pode ser feita até que todas as alternativas tenham sido cuidadosamente vistas e entendidas. Tudo que está oculto deve ser trazido ao entendimento, para ser analisado novamente, à luz do Espírito Santo. Todos os erros e julgamentos anteriores da mente estão, portanto, passíveis à correção: é o que se chama de milagre através do perdão.