Todo Mal Que Percebo Sou Eu Quem Crio

  1. Acordar para J
  2. Todo Mal Que Percebo Sou Eu Quem Crio

Um Curso Em Milagres nos ensina que tudo o que vemos, tudo que percebemos, não é real, pois só o Amor é real.

Esta afirmação pode ser amplamente refutada. Para tal basta considerarmos a ilusão de separação como sendo real — que é no que o ego crê desde que, desesperado pela pressão do medo infinito do Amor de Deus, criou o tempo e o espaço e tudo o mais que convencionamos chamar de universo.

Entretanto, tudo o que vemos ou percebemos — em não sendo Amor — é criação da própria mente.

Podemos relativizar essa compreensão com um exemplo.

Eu fico muito incomodado com as pessoas que vão para as ruas pedir a volta do regime militar ao Brasil. Da mesma forma sinto-me muito mal com quem não respeita as minorias, com quem destila ódio gratuito a outras pessoas meramente porque são diferentes.

Este mal estar, evidentemente, é problema exclusivamente meu, porque enquanto eu me sinto muito mal com declarações de ódio, as pessoas que as fazem estão lá, numa boa, curtindo o que o mundo tem a oferecer a elas.

Outro exemplo: a presidente vai para a televisão encher a boca e dizer que nunca se combateu tanto a corrupção no Brasil (e é verdade, embora tenha muita mentira escondida aí). Corruptos são julgados, condenados, e recebem penas de prisão domiciliar, em seus palacetes comprados com dinheiro sujo, roubado do povo; ou ainda pior, têm suas penas prescritas por decreto, simplesmente, afrontando a inteligência do cidadão.

E quem está passando mal com isso? Eu, é claro. A presidente nem sabe que eu existo. Os corruptos com seus museus particulares de milhões de Dólares tampouco imaginam a minha existência, muito menos se preocupariam com o que eu sinto ou penso.

O que importa é lembrar que tudo que eu criei, fi-lo porque acreditava que seria algo útil ou bom para meu amadurecimento. É estar ciente de que fora do Amor só há o medo, mas só o Amor é real. E com isso ir criando a consciência de que não há culpa, não há mal verdadeiro — o que constitui a essência do perdão que desfaz o ego e leva à consciência da Unidade entre Pai e Filho, a inteireza da Criação.