Menu

Sobre "fazer o caminho" e#"sentir-se bem"

Muita gente decide, em algum momento da vida, que precisa seguir um caminho espiritual, seja ele qual for. Alguns voltam-se para a religião formal. Outros procuram filosofias alternativas, e não são poucos os que tentam associar características “científicas” às suas crenças, para torná-las mais críveis (como, por exemplo, o espiritismo e a cientologia, não que eu esteja fazendo qualquer tipo de comparação entre eles).

O escritor Alex Castro, que até onde eu sei não tem nada a ver com Um Curso Em Milagres, em sua newsletter trouxe sua tradução de um trecho do livro “Not for Happiness” (2012), de Dzongsar Jamyang Khyentse:

Esses dias, o objetivo de muitos ensinamentos é fazer as pessoas “se sentirem bem”, validando seus egos e suas emoções.

Mas é um erro considerar que a prática do caminho vai nos acalmar ou nos ajudar a viver uma vida tranquila.

Se você só está preocupado em se sentir bem, melhor fazer uma massagem relaxante ao som de uma música new age.

Identifiquei-me com esta frase porque embora o estudo d’UCEM seja, em última análise, um bálsamo para as minhas inquietações existenciais (afinal, compreendi — embora às vezes esqueça — que isso a que chamamos de “realidade” não passa de um sonho ou delírio), ele entrou na minha vida causando muito estrago, e criando muito mal estar.

Em tempo: não se deixe enganar pela expressão “validando seus egos”. Nós sabemos que o correto seria “validando o ego”, certo?

Como o objetivo último d’UCEM (e de todas as obras que foram escritas orbitando-o) é levar a desfazer o ego (e não validá-lo), este fica extremamente incomodado com os conceitos que com certeza vão perpassá-lo. Não raro as pessoas sentem dores (físicas, mesmo), enjoos, sonolência na hora de fazer os exercícios, ou então acabam ficando assoberbadas de trabalho ou de outras situações externas. Tudo isso porque o ego sabe que “trilhar o caminho” é uma ameaça para si.

Vale lembrar que a linguagem manipuladora do ego são o medo e a culpa. E o ego traveste medo e culpa de muitos nomes, de muitas aparências.

Se alguma coisa no seu “caminho espiritual” estiver incomodando, e principalmente causando muito medo, alegre-se: é o ego estertorando, na tentativa de evitar o real progresso. Contudo, se o seu caminho for apenas de “paz” e bem estar para o ego, vale a pena pelo menos questionar-se a respeito dele.

Mas é claro, essa é somente a minha opinião.