O Céu é de Verdade

  1. Acordar para J
  2. O Céu é de Verdade

Todd Burpo é um pastor que, no mínimo, mexeu com a visão que muitas pessoas tinham do cristianismo de maneira geral: angariou a simpatia de muitos (talvez “cristãos enrustidos”) bem como despertou a desconfiança de muitos cristão tradicionais.

Se você pesquisar no Google pelo nome de Todd, ou de seu filho Colton Burpo, vai encontrar dezenas de milhares de referências ao livro escrito pelo pai, ao filme lançado há poucos meses, e a críticas (favoráveis ou não) a este “divertimento”.

Sem nem saber do que tratava o filme, acabei vendo-o noite passada. Gostei bastante (muito mais do que de “Noé”, por exemplo), embora no começo eu estivesse pensando que seria uma variação qualquer de “Desafiando Gigantes”.

Não continue a leitura se não quiser spoilers!

Spoiler é como se chama a revelação (voluntária ou não) de elementos do enredo de um livro, filme, seriado, ou qualquer outro tipo de história. Deparar-se com spoilers é muito frustrante para muitas pessoas, e eu gostaria que você não continuasse a leitura deste post seja este o seu caso.

Contudo, não haveria jeito de eu falar o que quero acerca do filme sem comentar explicitamente trechos do enredo.

O céu d’UCEM × o céu do filme

Na história do livro que virou filme, e que antes mesmo disso já tinha se tornado popular em função da extensa cobertura da imprensa para o caso, o céu é um “lugar” para onde o jovem Colton Burpo, então com quatro anos de idade, foi levado durante uma EQM (Experiência de Quase Morte).

A escolha das “realidades”

A despeito das diferenças, o filme (acredito que fiel ao livro) toca num ponto em comum com os ensinamentos d’UCEM: cada um escolhe no que quer acreditar.

Para o pastor Todd Burpo, a experiência de seu filho foi 100% verdadeira, a despeito de qualquer lógica ou silogismo que pudesse ser usado para explicá-la.

Um estudante d’UCEM sabe que tem a possibilidade de escolher, também: se vai preferir o modo do ego de ver as coisas, ou se vai preferir pedir orientação ao Espírito Santo, aquela parte em si que não foi afetada pelo delírio de estar separado de Deus.