A falsa amorosidade

  1. Acordar para J
  2. A falsa amorosidade

É relativamente comum que as pessoas que entram em algum “caminho espiritual”, seja o estudo d’UCEM ou qualquer outro, acabem por encontrar-se com mais pensamentos de ódio e intolerância contra os irmãos do que antes. E o que é pior: parece que este quadro não melhora nunca, e não raro a culpa advém.

Apesar do quão desconcertante possa parecer, esta profusão de pensamentos de ódio provavelmente indica que o estudante atingiu um objetivo importante em sua jornada de autoconhecimento: prestar atenção à mente, e tornar-se consciente dos pensamentos de ataque que ficam cobertos com camadas e camadas de candura e “genteboíce” — termo que acabei de inventar.

Em outras palavras, esta enxurrada de pensamentos de ataque indica que a pessoa não está mais sendo enganada pela falsa amorosidade do ego.

O sistema de pensamento do Espírito Santo, como proposto em Um Curso Em Milagres, vira o ego do avesso. Não é fácil conscientizar-se dos pensamentos de ódio que se escondem por trás do comportamento politicamente correto e socialmente aceitável que o mundo exige. O que parecia ser gentileza e candura no passado foi exposto como um ataque.

É assim simplesmente porque o ego se baseia na percepção de diferença que emana da crança de que a separação é real, o que por si só já é um ataque à Filiação ao extirpar da consciência a unidade criada por Deus.

Tornar-se consciente deste ataque é um passo muito importante na jornada de volta à mente que pode escolher contrariar a separação — justo essa mente que escolheu em favor da separação. Eis como encontraremos o caminho para fora da insanidade do ego para voltar ao nosso lar com Deus.

Por mais poderoso que possa parecer, o ódio inerente ao ego não é real. Ele é mais como uma defesa contra o amor que se encontra soterrado sob ele. Ou seja, é o medo do amor que traz à consciência dos pensamentos de ataque contra os outros. Isso só pode significar que em algum nível nós reconhecemos o amor, ou não criaríamos defesas contra ele.

O importante é não julgar a si mesmo, e reconhecer que o que o Curso revela sobre o ego é verdadeiro. Assim como é verdadeiro o que o Curso diz sobre nossa memória do amor na mente sã. Aí está nossa esperança.

Olhar para estes pensamentos de ataque sem nenhum julgamento é como nós os entregamos ao Espírito Santo, Que os vê como projeções da culpa por haver cometido o suposto erro de levar a sério a escolha pela ideia da separação. Já o ego vê estas projeções como pecaminosas, e usa a culpa e o ódio como provas de que o Filho de Deus já não é mais um com Ele e de que o mundo é real.